Nome: Manuela Monteiro Rodrigues da Cunha.
Data de nascimento: 23/01/1990.
Cidade: Salvador - BA
Há quanto tempo monta: 11 anos.
Local: Equus Clube do Cavalo
Categoria: Sênior.
Cavalo: Qwina Z e Code.
Instrutor: André Giovanini.

 

Horse World Brasil: Conte um pouco sobre sua trajetória no hipismo. Onde começou a montar, com que idade e incentivada por quem?
Manuela Monteiro Rodrigues da Cunha:
Quando me mudei para Salvador, conheci uma hípica perto da minha residência em 2001. Me apaixonei de primeira pelo esporte. Comecei a montar com 11 anos e logo meus pais compraram um cavalo chamado Servantes. Meus pais me apoiaram e incentivaram sempre, pois viram que eu iria me dedicar ao esporte.


Manuela e Servantes na categoria Escola - 0,70cm

HWB: Quais foram os seus principais títulos e entre eles qual foi o mais especial para você e por que?
M.C:
O meu primeiro título de Campeã Brasileira foi em 2005 no Brasileiro de Juvenil no Rio de Janeiro, foi um passo marcante para o início da minha carreira. Fui Campeã com Natural HV, um cavalo que me ensinou muito e me deu muitos títulos. Em 2007 iniciei minha temporada com a égua Qwina Z, onde fui 5º lugar no Brasileiro de Júnior e em 2008 fui 3º no mesmo e Vice Campeã no Brasileiro de Amazonas realizado aqui na Bahia. No ano de 2011 tive o prazer de ser Campeã com Qwina Z no Brasileiro de Amazonas TOP realizado no Rio de Janeiro. Foi muito emocionante, mas para mim o mais marcante e emocionante foi no Brasileiro de Young Riders no qual fui Vice-Campeã Brasileira. Minha égua fez um trabalho maravilhoso! Além desses, sou Heptacampeã Baiana e Bicampeã do Ranking Norte Nordeste categoria Sênior.

HWB: Como é o seu dia a dia e a sua rotina de treinos?
M.C:
Eu treino de terça a domingo os dois cavalos. De manhã vou para a faculdade de Psicologia.
HWB: Além do hipismo você se dedica a outras atividades? Quais?
M.C: Além do hipismo, vou para a academia todos os dias.


Manuela e Natural no Campeonato Sul-Americano no Chile em 2005

HWB: Fale um pouco sobre os seus cavalos atuais.
M.C:
Hoje salto os dois cavalos. Qwina veio para minhas mãos em 2007. Experimentei ela final de 2006 no Sulamericano na Argentina. É uma égua mais que especial em todos os sentidos. Sou suspeita para falar dela, mas não tenho nada o que reclamar. O Code veio para mim em 2009, demorou um pouco mais para eu me adaptar, mas o carinho por ele é enorme. Saltei com ele mais nos campeonatos no Nordeste e ele fez uma campanha muito boa!

HWB: Você conquistou o Campeonato Brasileiro de Amazonas em 2011. Você esperava por esse resultado?
M.C:
Eu esperava um bom resultado. Minha égua Qwina Z estava em uma ótima forma. Antes do Campeonato Brasileiro de Amazonas eu pulei o Concurso do Sítio Chuin no qual ela pulou muito bem e duas semanas depois ganhamos a final do Ranking aqui na Bahia. Eu estava super confiante, sabia que se eu fizesse meu papel nós sairíamos muito bem.


Pódio do Campeonato Brasileiro de Amazonas 2011 na Sociedade
Hípica Brasileira no Rio de Janeiro

HWB: Quais foram as maiores dificuldades enfrentadas no Campeonato Brasileiro de Amazonas 2012 e quais as estratégias que você usou para vencer?
M.C:
O Brasileiro de Amazonas estava muito disputado, com ótimas amazonas e cavalos, além dos ótimos percursos desenhados por Marina Azevedo. Creio que não existem estratégias, e sim muita dedicação e total confiança por meu treinador André Giovanini.

HWB: Como você vê o crescimento do hipismo no Nordeste e na sua opinião o que pode ser feito para melhorar ainda mais?
M.C:
Já venho acompanhando o hipismo no Nordeste há muito tempo. Creio que existem altos e baixos. O que precisamos são pessoas de caráter e que queiram que o hipismo cresça. Ano passado tiveram vários apoios de patrocínios e principalmente do Presidente da Confederação Brasileira de Hipismo. Isso é um passo importante para que o hipismo do Nordeste cresça cada vez mais, sem falar de muitos cavaleiros e amazonas nordestinos que estão se destacando no Brasil.


Montando a égua Qwina Z na Copa Internacional JL Sítio Chuin de Hipismo 2011

HWB: Quais são as características que você admira em um cavaleiro / amazona?
M.C:
Além da dedicação, eu acredito no amor ao esporte e também ao animal. Para mim o respeito com o seu companheiro é fundamental.

HWB: Quem são seus ídolos dentro do esporte e por que?
M.C:
Tem tantos cavaleiros e amazonas fantásticos. Creio que todos os atletas admiram o Marcus Ehning, sua equitação é fantástica.

HWB: Você monta no Equus Clube do Cavalo em Vilas do Atlântico, no Município de Lauro de Freitas-BA. Qual é a sua opinião sobre a possível venda do clube?
M.C:
O clube está passando por uma situação complicada. Todos estamos lutando para que isso não aconteça. Querem acabar com o único clube hípico que existe na Bahia. Fico assustada com essa idéia, pois vejo quantas crianças estão iniciando e fazem por paixão. Acabar com o sonho dessas crianças é uma crueldade. Me coloco no lugar delas. Quanto mais apoio de todos do meio tivermos, mais forte será nossa corrente contra a venda. Contamos com o apoio de todos.

HWB: Para finalizar quais são seus principais objetivos para 2012
M.C:
Espero conseguir tempo para competir mais no sudeste e sul. Pretendo levar minha égua para São Paulo para fazer uma temporada por lá. Tenho certeza que ela vai fazer uma ótima campanha!


BATE BOLA:

Uma qualidade: Honestidade
Um defeito: Precipitada.
Filme: A procura da felicidade.
Uma viagem Inesquecivel: Punta Del Este.
Um sonho: Chegar a um concurso de alto nível.
Quem é Manuela: Nasci em Brasília no ano de 1990. Viemos morar em Salvador em 2000. Foi aí que comecei a me interessar pelo hipismo.

 

* Entrevista realizada em Fevereiro / 2012. Fotos: Cedidas / Arquivo pessoal de Manuela Monteiro Rodrigues da Cunha.